Medicina integrativa: conceito e benefícios para clínicas e pacientes

O que é medicina integrativa e suas vantagens - Doctoralia

A Medicina Integrativa, por vezes também chamada de Medicina Funcional ou Integral, tem atraído cada vez mais a atenção de profissionais da saúde e pacientes como resposta à busca pela humanização dos atendimentos médicos.  

Considerando que doenças físicas afetam a saúde emocional e mental das pessoas, assim como complicações psicológicas podem fazer com que o corpo adoeça, a medicina integrativa promove o bem-estar e a qualidade de vida por meio do equilíbrio de diversas esferas do indivíduo.

Isso significa que, ao invés de tratar especificamente a doença, como acontece na medicina tradicional, a prática integrativa é focada no paciente em sua totalidade, identificando diversos fatores, entre eles fisiológicos, psicológicos, nutricionais e até sociais, que possam ser aprimorados para garantir a saúde plena.

Essa integração do cuidado gera benefícios não só para os pacientes, que notam resultados melhores, mas também para os profissionais da saúde, que contam com o apoio de colegas de outras especialidades para melhorar o relacionamento com os pacientes e engajá-los acerca do tratamento.

Neste artigo, entenda melhor o conceito de medicina integrativa, seus principais benefícios, como aplicá-la em sua clínica ou hospital e qual é o cenário brasileiro da especialidade, respaldada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O que é medicina integrativa e como surgiu o conceito

Muitas vezes, doenças surgem como consequência de hábitos alimentares desequilibrados ou rotinas compostas por comportamentos inadequados, que acabam por enfraquecer o sistema imunológico. E mesmo que essa ideia já seja muito difundida pela medicina convencional, a prática integrativa tem o propósito de tornar os tratamentos ainda mais efetivos com a colaboração entre médicos, terapeutas e profissionais da saúde em geral.

Sendo assim, a medicina funcional combina terapias alternativas, como fitoterapia, homeopatia, florais, aromaterapia, yoga, massagens, meditação e acupuntura, com  procedimentos tradicionais de diversas áreas. 

Um oncologista, por exemplo, pode trabalhar em conjunto com nutricionistas, enfermeiros e psicólogos para proporcionar um atendimento mais completo ao paciente. Estudos mostram que terapias alternativas ajudam a aliviar os efeitos colaterais comuns do câncer e seu tratamento, como fadiga, ansiedade, dor e náusea. 

O Prof. Dr. Chin An Lin, chefe do Ambulatório Geral Didático do HCMFUSP e Co-coordenador do Centro de Medicina Integrativa Mente/Corpo descreve a medicina integrativa como um tratamento que vai além da doença: 

“Tratamos o paciente como um todo, desde o seu estilo de vida, até a forma como ele se relaciona com o ambiente. Acredito que, se conseguirmos agir preventivamente, antes da doença levar a pessoa ao hospital, teríamos mais o que fazer para melhorar a medicina.”

Disse ele, de acordo com a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O surgimento do conceito de medicina integrativa, de acordo com Editor-in-chief do The Journal of Alternative and Complementary Medicine (JACM), John Weeks, se deu no contexto da contracultura, por volta da década de 1960. 

O movimento foi motivado por diversos fatores, como o aumento da expectativa de vida, a crítica à relação assimétrica de poder entre médicos e pacientes, a dificuldade da medicina convencional para solucionar determinadas doenças – especialmente as crônicas –, informação sobre o perigo dos efeitos colaterais dos medicamentos e das intervenções cirúrgicas, entre outros.

Quais são as vantagens da medicina integrativa para pacientes, especialistas e clínicas?

O que é medicina integrativa e quais são suas vantagens - Doctoralia

Pacientes com doenças crônicas que até então eram submetidos a procedimentos essencialmente paliativos, conseguem trabalhar a causa de seus problemas quando passam por uma abordagem mais abrangente.

Além disso, o acompanhamento integrado tira a doença do foco e coloca o paciente como protagonista do tratamento.

Com isso, ele passa a perceber que sua função vai além de tomar remédios e fazer exames e se vê como o principal agente para sua saúde, trazendo benefícios não só para si, mas também para os profissionais que o acompanham. Hoje, muitos consultórios e centros de saúde que trabalham com o modelo de clínica ampliada já tem conseguido oferecer um tratamento bem mais integrado aos seus pacientes.

Confira as principais vantagens da medicina funcional integrativa:

Influência positiva na relação médico-paciente

A base de um atendimento pautado pela medicina integrativa é saber ouvir. Investigar todos os aspectos da vida do paciente, entendendo suas dores e preocupações, considerando sua situação econômica e identificando sua personalidade e individualidade, é essencial para que os procedimentos mais adequados possam ser recomendados.

Com isso, o paciente cria um relacionamento mais próximo e de confiança com os profissionais envolvidos, já que sabe que todos compartilham o mesmo objetivo: cuidá-lo da melhor maneira possível. 

Essa humanização do acompanhamento médico é crucial para que os médicos, paramédicos e terapeutas sejam verdadeiros parceiros do paciente durante a jornada, o que auxilia também em sua fidelização.

Maior engajamento ao tratamento 

Como dito anteriormente, a combinação de diversos métodos alternativos com os tradicionais contribui para o empoderamento dos pacientes, conscientizando-os sobre o papel que exercem em sua saúde, já que compartilham a responsabilidade pelo sucesso do tratamento com os profissionais de saúde.

Com isso, aumenta o interesse e a motivação para que sigam as recomendações dos especialistas, inclusive mantendo bons hábitos depois de terem sido curados.

Mais qualidade de vida 

Desde que os métodos alternativos estejam alinhados com o estilo de vida do paciente, eles proporcionarão tranquilidade, alegria e esperança, potencializando os resultados do tratamento convencional e aumentando as chances de recuperação.

Outro fator positivo para a saúde é a possibilidade de redução da medicação tradicional, incorporando princípios ativos naturais. Os bons resultados e o bem-estar conquistados servirão também como incentivo para a continuidade de práticas preventivas.

Redução dos gastos com saúde;

Quanto mais consciente dos hábitos que influenciam em sua saúde, mais o paciente levará a sério as orientações dos profissionais e menos precisará investir em novos remédios, tratamentos, exames e até cirurgias. 

Cenário da medicina integrativa no Brasil

Apesar de consolidada no Brasil, é possível que surjam dúvidas quanto à efetividade da medicina integrativa. Uma evidência da seriedade da abordagem terapêutica é que grandes hospitais, como o Sírio Libanês e o Albert Einstein, já oferecem esse diferencial.

Outro indício de seu valor é a criação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PIC) pelo Sistema Único de Saúde (SUS), em 2006.

A Portaria Nº 849 de 2017 do Ministério da Saúde incorporou entre os serviços disponibilizados em mais de 1.200 municípios as práticas de Ayurveda, Biodança, Arteterapia, Meditação, Dança Circular, Musicoterapia, Osteopatia, Naturopatia, Quiropraxia, Reiki, reflexoterapia, Shantala, Yoga e Terapia Comunitária Integrativa.

É relevante destacarmos que as terapias sugeridas pela medicina integrativa não pretendem substituir, em circunstância alguma, as práticas convencionais, e sim complementar o tratamento para intensificar os bons resultados.

Como aplicar a medicina integrativa no dia a dia da clínica?

Medicina integrativa - o que é e principais vantagens - Doctoralia

O primeiro passo para adotar a medicina integrativa em sua clínica, além dos estudos exigidos em qualquer área da saúde, é garantir que o corpo clínico do seu centro médico seja formado por uma variedade de profissionais dispostos a trabalhar em conjunto.

Desta forma, o paciente ganhará mais praticidade ao concentrar todas as consultas em um único estabelecimento, e os profissionais terão acesso mais fácil às informações do tratamento.

Tenha em mente que o plano de tratamento deve ser integrado e compartilhado entre toda a equipe. Para facilitar este acompanhamento simultâneo, uma dica é contar com o software de gestão médica Doctoralia Clínicas, que permite a criação de prontuários eletrônicos personalizados e reúne todas as informações em uma só plataforma, além de diversas outras funcionalidades.

Doctoralia Clínicas: receba uma demonstração personalizada

Veja como funciona nosso sistema para centros médicos e como ela pode potencializar os resultados do seu negócio. 

Solicitar demo

Com a ferramenta adequada, todos os profissionais conseguirão agir com produtividade e cooperação na elaboração de estratégias completas, sem deixar de lado nenhum dado relevante.  

No momento da consulta em si, é importante realizar um atendimento mais terapêutico, independente da área de atuação. Os diagnósticos são mais longos e profundos, incentivando o paciente a relatar quando os sintomas começaram a surgir, em quais situações mais aparecem e o que é feito para reduzi-los.

Assim, a medicina integrativa direciona o foco para a pessoa, e não para a doença. Medicamentos e tratamentos – alternativos ou convencionais –  devem ser sugeridos considerando todas as abordagens terapêuticas e disciplinas, assim como a opinião do próprio paciente.

É imprescindível ainda que qualquer orientação seja acompanhada por explicações compreensíveis e diretas, para que o paciente compreenda os detalhes do tratamento e sinta-se parte das tomadas de decisão. 

Medicina integrativa em resumo

Concluindo, a medicina integrativa surgiu para suprir a necessidade de humanização dos atendimentos médicos, em decorrência da popularização da medicina alternativa e seus tratamentos naturais, e ainda da crescente consciência de que todas as áreas da vida –  aspectos físicos, emocionais, psicológicos, sociais, espirituais, etc – influenciam na saúde e qualidade de vida.

Para oferecer um tratamento mais personalizado ao paciente, a prática propõe a união de profissionais da saúde de diversas especialidades, resultando na potencialização de resultados, estreitamento do relacionamento de confiança e prevenção de possíveis problemas futuros. A doença em si deixa de ser o ponto central e as atenções se voltam ao indivíduo em sua totalidade.

Uma vez que os especialistas estejam dispostos a trabalhar em time e adquiram o conhecimento necessário sobre medicina integrativa, a dica é que a clínica ou hospital conte com um software de gestão que permita compartilhar as informações do prontuário entre os responsáveis, facilitando a troca de ideias e o acompanhamento dos resultados. 

👉 Leia também: Experiência do Paciente em tempos de covid-19: especialistas explicam como se adaptar